terça-feira, 13 de janeiro de 2009


Estado: situação de algo ou alguém em determinado momento; condição.

É isso, “determinado momento”. O momento passou. Alias, que momento. Vários momentos. Quando eu estava contigo “determinado momento” era bom. O problema era quando eu não estava contigo. Abstinência. Entre tantas drogas ilícitas consumidas, você definitivamente é a pior que eu usava. USAVA. Não, você me usava. Você me fumava, tragava meu amor e baforava minha sanidade. Cheirava meus sentimentos e pela sua garganta anestesiada meu coração amargo passava.

Quando a tristeza e a indiferença são os únicos sentimentos presentes, o corpo se acostuma a sentir tanta dor. Quando confusão era tudo que eu enxergava não conseguia me lembrar da calmaria. Sem angustia vejo tudo como todos. Sem angustia a venda que tapava meus olhos chamada AMOR desfaz seu nó.















PS: Ainda te amo idiota.

2 comentários:

Mayara Monteiro disse...

O pior é continuar amando, eu penso "por que", sinceramente. Eu já pedi (com a imensa pretensão que há nisso) a Deus para que tirasse tanto amor de mim, por que de nada me vale! É como presentear um surdo com vários vinis legais, de que adiantará? Eu penso, penso, penso e não sei mais para onde correr e me esconder de mim, enfim. Acho que passamos por coisas parecidas, mas ainda não consigo chamar a criatura de idiota, logo, idiota sou eu.

Kaká disse...

Almost it!